Museu do Barbeiro e Cabeleireiro
     
   
 
 


 


Olá amigos,

Joaquim Pinto, natural de S. Martinho de Mouros, Resende, cabeleireiro de profissão e fascinado pela arte e coleccionismo. Entendi e com plena certeza, que não pode haver nenhum profissional completo, se não conhecer as suas origens profissionais a todos níveis de profissão.

Depois de cerca de vinte anos de pesquisa de várias peças de barbeiro e cabeleireiro, cheguei à conclusão que seria muito útil fazer através da Net um museu digital, um museu o mais completo possível que pudesse mostrar a evolução desta profissão. É muito gratificante manter viva a memória dos nossos antepassados, mostrando de uma forma simpática anossa arte e homenageando aqueles que usaram estes utensílios. Entendo ser cívico e cultural não esquecer o passado. Espero que seja do vosso gosto e peço que façam comentários através do email. Os vossos comentários serão bem aceites.

Uma profissão que teve em tempos regimento próprio, as peças ajudam a compreender a história da profissão. Os avanços tecnológicos e científicos sucedem-se actualmente a uma velocidade tão grande que se verificam constantes substituições e alterações no próprio material que é quotidianamente utilizado. Aquele que ontem era considerado “ultimo grito” está hoje decadente, e o que era visto como um grande progresso será amanhã pouco menos do que obsoleto. Uma forma de não perder a memória de tudo o que fica ultrapassado, é a de organizar um museu. Já os há de várias artes, em breve a nossa há-de chegar e dar evidencia ao meu empenho.

Esta montra de Antiguidades já esteve exposta nos seguintes lugares: Caixa Geral de Depósitos em 23 cidades do País, em Paris, na Expohair, Grupo M.C. Paz, Palácio Foz, Salão de Congressos do Estoril, convidada a estar exposta no museu da Misericórdia da Ericeira, várias reportagens em rádios, jornais, revistas e nos três canais de televisão.

Joaquim Pinto envia um forte abraço para todos os colegas da profissão. Obrigado.